17 novembro 2009

Penso em ficar quieto um pouquinho lá no meio do som. Peço salamaleikum, carinho, bênção, axé, shalom. Passo devagarinho o caminho que vai de tom a tom. Posso ficar pensando no que é bom. Vejo uma trilha clara pro meu Brasil, apesar da dor vertigem visionária que não carece de seguidor. Nu com a minha música, afora isso somente amor. Vislumbro certas coisas de onde estou. Nu com meu violão, madrugada nesse quarto de hotel. Logo mais sai o ônibus pela estrada, embaixo do céu. O estado de São Paulo é bonito! Penso em você e eu cheio dessa esperança que Deus deu. Quando eu cantar pra turba de Araçatuba, verei você, já em Barretos eu só via os operários do ABC. Quando chegar em Americana, não sei o que vai ser. Ás vezes é solitário viver. Deixo fluir tranqüilo naquilo tudo que não tem fim. Eu que existindo tudo comigo, depende só de mim. Vaca, manacá, nuvem, saudade, cana, café, capim. Coragem grande é poder dizer sim

Hoje o Caetano Veloso pode falar por mim.

2 comentários:

Emmanuel disse...

Dali Caetano!

=)

Pernambucolismo disse...

Outras palavras, 1981. Só tu Mazes...