05 agosto 2010

Quase nunca


Gestos calculados, desejo incontrolável.
Boca, pêlo, pele, bunda,
peito, nuca, músculos.
Cheiro excitante.
Desejo de sobra, líquido de sobra, calor de sobra.
Pau duro, boca molhada.
Toque, mordida, carícias geográficas,
Masoquismo circular, sadismo vertical,
Força bruta, jeito doce,
Movimentos precisos, gozo exagerado.
Sensibilidade, nojo, despedida.
Quase sempre sexo, quase nunca amor.

Mazes
 Depois ele cantou pra mim:  Sexo - Oswaldo Montenegro

2 comentários:

E Agora Gregório? disse...

Quase nunca amor! Fato.

Os Confundidos disse...

Está obra já se encontra publicada em "os confundidos".

abraços,