28 julho 2010

Das particularidades


Não vendo meus ideais. Suas filosofias prontas e seus conceitos comprovados em cartório não me parecem suficiente. Faço meu próprio conceito das coisas que acredito, prefiro assim. Fica mais natural e consciente ter minha própria visão de mundo. Leio livros, porque um dia pretendo escrever o meu. Até gosto dos CDs, mas preferia ter nascido na época do vinil. Tudo bem, já me disseram que tenho que me conformar com isso, to tentando.
Investigo os fatos, não me contento com pouco. Vou na frente, quase sempre desprezo guias. Perde-se pelo caminho faz parte e eu nunca gostei de fugir da queda. Se é pra quebrar minha face bonita, que ela se quebre. Tenho talento pra reconstruí-la em dois tempos. Não rego superstições, não preciso de datas comemorativas e idas semanais a shopping ou boates. Sinto-me festa onde chego e também gosto de chorar quando se é conveniente sorrir.
Nem sempre confie em minhas palavras, porém sempre as respeite, eu costumo respeitar o que os outros dizem. Eu falo muito, às vezes sem parar, preciso de alguém que me modere. Favor não confundir moderação com censura, falo o que quero, sempre. Não abro mão do meu direito a palavra. Muitos, tantos foram torturados e outros morreram para que nós tivéssemos direito a liberdade de expressão. E se me mandam falar baixo, eu grito no alto-falante.
Nunca tente impressionar-me com mentiras. Quando for me falar coisas pseudo’s intelecto’s, por favor, veja bem o que está falando, não tenho paciência pra ouvir informações erradas. Se informe antes de sair por aí citando Freud ou Machado de Assis.
Não gosto de ser imitado, não pretendo ser modelo a ser seguido. Também nem invente de me amar com urgência, tenho medo de amor apressado. Sou chatinho e tenho muitas particularidades e já desisti de me desfazer delas. Respeite-as ou então passa amanhã, ou depois de um mês, ou então erra o caminho quando pensar em me rever. Sou áspero às vezes, mas quase sempre minha doçura encanta até os corações de pedra. Pois é, aprenda a usar- me, eu costumo aprender como tratar as pessoas.
Dê-me o valor que mereço receber. Aproveite a oportunidade que é estar comigo, costumo não voltar a trás nas minhas decisões e se não gostou do que leu, escreve algo melhor.

Mazes

Um comentário:

E Agora Gregório? disse...

uma ótima receita para conquistar o escritor. Não podemos nos moldar para outros. Belo texto.