21 agosto 2011

E depois me ensine


E estou pensando seriamente em publicar um livro pra ver se alguém me ler! Alguém que me estude como um clássico da literatura brasileira. Que vire as páginas com cuidado. Que risque com caneta e régua as partes mais importantes. Que me faça dedicatórias. Que não me esqueça num canto qualquer. Que sinta meu cheiro de livro usado. Que me leve no colo. Que leve pra cama. Que adormeça comigo sob luz do abajú. Que amanheça comigo enrolado no lençol. Que marque minhas páginas para lembrar onde parou a leitura no dia seguinte. Que aprenda a ler comigo. E que depois me ensine.

Pois é, deu meu coração de ficar sonhando acordado.
 Mazes

                                               Depois eles cantaram pra mim: Fred Martins, Kléber Albuquerque e Rubi

2 comentários:

Millena Bezerra disse...

Acredito ser a melhor forma de se tornar imortal e ser querido: escrever um livro.

Um dia, vou também tentar essa façanha!

http://amorpoclassico.blogspot.com

Magda Albuquerque disse...

Que maravilhoso seria que alguém pudesse dedicar tanto cuidado conosco. Não custa nada sonhar.
E talvez pôr em prática esse desejo: escrever um livro. Às vezes a alma pede e o corpo sustenta.
Eu apoio, você sabe.

Beijo, querido.